© 2017 Mamatraca - Site criado por Confia.Me

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey YouTube Icon
  • Grey Instagram Icon

08/11/2017

Greenwashing é um termo em inglês que significa "lavagem verde". É o hábito das indústrias de usarem "virtudes ambientais" para fazer parecer (através normalmente de publicidade) que seus produtos são ecoeficientes. Na escola e nos canais da prefeitura Greenwashing é prática constante e apresenta sério risco para quem está interessado de verdade em educação ambiental.

Precisamos PARAR de falar de preservação ambiental e começar a AGIR pela preservação ambiental.

As pessoas alucinam achando que o jacaré está em extinção porque um homem mau foi lá e matou o jacaré para fazer bolsa. Ou porque o macaco-sei-lá-o-que está em extinção porque o bandido foi lá e incendiou seu território. 

Os animais estão em extinção porque eu, você e nossas crianças temos hábitos alimentares ruins e de consumo piores ainda.

Nós temos esses hábitos ruins porque o poder público é leniente e não faz políticas eficientes para efetiva proteção e cumprimento de balizas mínimas de sustentabilidade.

E o poder público não t...

20/10/2017

Infelizmente o prefeito de São Paulo toma decisões por nossos filhos sem respeitar nenhuma instância de participação. Sem consultar as leis vigentes. E acima de tudo sem pensar no bem estar em larga escala da população, favorecendo sempre as indústrias e os ricos.  ​   Anunciou na televisão que ia colocar farinha ultra processada de excedentes das indústrias na merenda escolar. Foi a gota d'água. Organizadas, nós fechamos a avenida paulista contra a ração na merenda e pelo cumprimento da Lei 451/2013 que torna obrigatória a priorização da alimentação orgânica na escola.  Desde o chão da escola, até os grupos de pais e mães, passando pelo ativismo materno, não tem ninguém à favor dessa medida. Especialmente da forma obscura com a qual está sendo tratada: o que tem nessa farinha? Quem fez? Porque não estamos oferecendo orgânicos conforme a lei?      Durante o nosso protesto o prefeito disse estar revendo a questão da farinha de resto, apelidada de ração humana. Entrou até ao vivo...

17/10/2017

Nós fomos recebidas pelo secretário municipal da educação Alexandre Schneider no último dia 10 de outrubro. Só para dar um contexto para essa reunião: eu estive na audiência da merenda, que não abriu espaço para as mães. O secretário municipal de educação Alexandre Schneider ofereceu seu tempo para nos escutar, depois que eu me levantei na audiência e desrespeitei o rito proposto pelo vereador Cláudio Fonseca que controlava as falas em evidente silenciamento da comunidade de mães.  Depois de mais de um mês tentando marcar, conseguimos uma data.  Nesse meio tempo já haviam muitas outras pautas com as quais nós, mães da escola pública, estávamos preocupadas para além da merenda. A redução de professores módulos nas escolas (portaria 7663) e um projeto de lei de autoria do mesmo vereador que não queria que nós falássemos na audiência (oh! que surpresa) o PL68 que por fora é bela viola e por dentro é pão bolorento: ele vai, se passar, em médio prazo acabar com as creches totalmente públ...

26/09/2017

"Toda vez que um professor falta, meu filho relata o que deve ser um grande desespero para toda a escola: crianças amontoadas na sala de aula, um único adulto educador, desestímulo e cansaço para todas as partes. As crianças, claro, vulneráveis que são, serão sempre as mais prejudicadas. Meu filho sempre chora quando isso acontece.  Ele teve uma professora que faltava tanto, mas tanto (sindicalista ela) que avisava as crianças antes da sua agenda de compromissos. E ele me comunicava que naquele dia ele ficaria amontoado em algum lugar. Nesses dias eu não mandava para a escola, privilegiada que sou. "É muito barulho, as crianças gritam demais e a professora grita com eles. A gente não pode sair da sala porque é muita gente pra ir no parque e ela não consegue cuidar."  Quando vocês diminuem professores vocês infringem diretamente a necessidade vital da criança de segurança e movimento. De contato, vínculo, aprendizado. Porque essas faltas (que, sabemos, muitas abusivas)...

05/09/2017

Por que a piada sobre licença paternidade e Copa do Mundo é machista? "Se você engravidar sua mulher na próxima semana, terá dias semanas de licença paternidade na próxima copa." Na última quinzena temos nos deparado com notícias medonhas de abuso, estupro e violência das mais variadas ordens contra as mulheres. Pode parecer piadinha infame (ai que bom que o mundo era quando a gente podia fazer piada não é mesmo, agora as feministas não deixam mais...) só que não é piadinha. O fato de ter viralizado dessa forma comprova: todo mundo se diverte quando as mulheres permanecem num estado subjugado. Ora, mas Anne o que tem à ver licença paternidade na Copa com subjugar a mulher?  Olha, no mundo que eu quero viver, alguém que sugere que se deva colocar um filho no mundo para ter folga e assistir a Copa de futebol é um perfeito idiota. Porque nessa piada simples está incutido o óbvio: mulheres criam os filhos sozinhas. Estatisticamente, mais de 40% das mães são solo (criam os filh...

31/08/2017

Hoje nós estivemos na audiência pública que tinha por objetivo discutir a merenda na cidade de São Paulo. Ainda que o poder público - na figura do Secretário da Educação Alexandre Schneider - repetidas vezes informe que não há cortes nem tampouco orientações dadas para as escolas de regular a repetição dos itens saudáveis do cardápio (como frutas por exemplo) os relatos da população trazem o contrário. Conversando com as #MãesDaEscolaPública já recebi as seguintes histórias: - uma banana para cada duas crianças; - gelatina no lugar da fruta; - fornecimento de leitinhos industrializados (tipo Toddynho) como se fossem parceiras com marcas famosas; - escolas que tiveram itens básicos reduzidos (como óleo e sal de cozinha); - corte sem explicação do bolo de aniversário;  - incoerências graves no cardápio (tipo era para ter macarrão com molho, salada e fruta, vem macarrão sem nada e gelatina); Era minha intenção trazer esses relatos para a audiência, para entender por que o discurso é tã...

28/08/2017

A romantização do empreendedorismo materno - vendendo a ideia de que apenas o talento e o desejo para fazer determinada coisa seriam suficientes para que uma mulher mãe se tornasse realizada profissionalmente, financeiramente independente e ainda por cima plenamente satisfeita com sua maternidade - está dificultando demais a vida mulheres.

Ninguém vai elucidar - à priori - que empreender é investir investir investir PARA PODER trabalhar trabalhar trabalhar. Vão sempre apresentar um aspecto quase mágico, onde "basta ser quem você é e acreditar nas suas paixões" para as pessoas jogarem dinheiro na sua conta.

Esse discurso as faz acreditar que empreender é uma escolha. Não é. É falta de escolha na maioria das vezes, quando mães são hostilizadas nos ambientes de trabalho, preteridas e muitas vezes demitidas apenas porque... trouxeram alguém para o mundo.

Ao "escolherem" o empreendedorismo materno empacotado, as mulheres não estão plenamente informadas das capacidades comportamentais, técnicas...

04/05/2017

Sobre a epidemia de obesidade no país como um problema de ordem multifatorial: Sobre o problema da publicidade infantil e a comercialização da infância: Sobre o parecer do Ministério da Educação em relação à publicidade nas escolas: Sobre o grande cenário que envolve venda e promoção de refrigerantes nas escolas: Sobre porque refrigerante faz mal: Sobre a relação perniciosa entre as indústrias multibilionária de alimentos açucarados: Sobre o projeto de lei que quer regulamentar a publicidade infantil: Sobre o projeto de lei que quer cometer o crime de ajudar a teoria ficar alinhada com a prática e proibir refrigerante na escola: Sobre as indústrias totalmente à par de tudo isso e (diferente da sociedade) tomando atitudes para continuar vendendo bem, vendendo mais e vendendo sempre, a verdadeira prioridade absoluta:

19/04/2017

Eu não resisti e hoje cedo dei sermão (semi) adequado para a faixa etária, sobre a questão indígena no país.  Me incomoda demais o jeito que o tema é tratado. 200 dias letivos consumindo vorazmente sub-produtos da publicidade infantil, e só no 19 de abril que se presta essa "homenagem" na escola.  - Prestem atenção no que vão dizer para vocês na escola, meninos. Nem tudo que contam para a gente é verdade, a gente precisa sempre estudar e conhecer várias versões da história, para poder formar uma opinião. Eu, também do alto da profunda ignorância de quem só tem acesso à cultura indígena através dos livros, contos, músicas e histórias - que resistem bravamente em casa, em meio a tanto pokemon - já estava confabulando o que faria se me chegassem em casa com aquela pena de EVA com glitter ou a pintura facial de durex colorido.  Que nervoso. Que vergonha. Que injustiça.  - Mãe eu preciso te contar uma coisa sobre o dia do índio na escola e você não vai gostar.  A pessoa sabe...

23/03/2017

Bem-vindas! À partir de hoje é oficial, você está criando seu filho para viver no mundo neoliberal. A missão é simples. Tudo o que você precisa fazer é ensiná-los a serem herdeiros. Eles vão tocar seus negócios bem sucedidos já construídos, seus bens e imóveis e sua gorda poupança. Ufa, tranquilo! Mas se você não tiver nada disso, seus filhos vão precisar trabalhar para alguém. Não se preocupe muito, basta que você os prepare então para serem profissionais exemplares, com alta competitividade. Empresários de si mesmos!  Essa tarefa também é simples: Esqueça as teorias de igualdade, "mais amor por favor", e os valores humanos que você vem ensinando. Isso é balela. Nada disso presta para sobreviver à competitividade do mercado que oficialmente se apresenta, já que os direitos básicos são agora mercadorias. Saúde, educação, comida, moradia. Compra quem tem. Quem não tem, que se mate para conseguir. Ensinem seus filhos que o que importa é ter dinheiro para comprar as coisas....

Please reload

PROJETO CLAREAR

COM CEILA SANTOS

 

ESPECIAIS