© 2017 Mamatraca - Site criado por Confia.Me

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey YouTube Icon
  • Grey Instagram Icon

02/02/2012

Os motivos de maior ansiedade para qualquer pai e mãe é que seu filho sofra. Independente do tipo de sofrimento. Por mais óbvia que esta afirmação possa parecer, ela é relevante pois vivemos em uma época em que as famílias possuem dificuldades em lidar com o sofrimento e frustração de seus filhos, e frequentemente buscam se adiantar e suprir o que acreditam serem suas necessidades, na intenção de minimizar os riscos. Ao agirem desta forma, portanto, acabam por transmitir aos seus filhos sua própria falta de segurança com relação ao início das aulas, possivelmente intensificando suas angustias ao invés de ajudá-los a lidar com o desafio do retorno. Nesta época, mudanças de ano, professores, turmas, só intensificam as fantasias dos pais com relação às dificuldades que o filho terá neste reajuste, o que culmina em uma duração maior deste processo de readaptação.

01/12/2011

Desde pequena ela já gostava muito de desenhar. Passava horas tentando reproduzir desenhos de um livro que gostava. E quase sempre arrancava um elogio dos parentes, amigos e professores. Essa paixão pelo desenho se tornou, posteriormente, sua profissão. Silvana Rando, mãe da Verônica, trabalha como ilustradora desde 2006. Tem 18 livros ilustrados, sendo que dois deles ela mesma escreveu: Peppa (2009) e Gildo (2010), ambos pela Editora Brinque-Book. Com o Gildo, um livro delicioso que conta a história de um elefante que tinha medo de bexigas, Silvana levou este ano nada menos que o prêmio Jabuti de melhor ilustração. Hoje, com exclusividade para o Mamatraca, Silvana Rando fala um pouco sobre a leitura e o universo infantil.

17/11/2011

Sua experiência resultou em uma linha de pensamento única sobre a realidade emocional das mulheres que se tornam mães e o universo dos bebês. Este ano teve seu primeiro livro, La Maternidad y el encuentro con la propia sombra, traduzido para o português. Imperdível.  Sendo trabalhadoras, temos reconhecimento social. Permanecendo em casa, não. E a capacidade de contato físico e emocional, a entrega, a presença e a disponibilidade que podemos oferecer ao bebê depende de nossas próprias experiências pessoais, quer dizer, daquilo que aconteceu na nossa infância. Se temos histórias de desamparo, de solidão, de medo, de abuso ou mentiras, é pouco provável que tenhamos recursos emocionais para dar prioridade às necessidades da criança. Então o trabalho ou as atividades sociais são nosso melhor refúgio.

02/11/2011

Pois é, este é um tema bem delicado. O que acontece é que as escolas, para manterem as suas notas e classificações naquele ranqueamento de "melhores escolas do Brasil", acabam fazendo uma espécie de normatização, de homogeneização de seus alunos. Escolhem aqueles que aparentam ser os melhores, que não diminuirão as suas notas. Tentam "nivelar" o seu público. O que é o inverso daquilo que é uma das funções da escola: educar na diversidade. O que fazem é pegar as notas do Ensino Médio e tentar garantir que os seus alunos se aproximem o quanto antes delas. Uma pena! Pois se educa para um fim. Para um teste, para algo que favorece apenas as escolas. Esse caminho é uma vergonha! Um verdadeiro processo de exclusão, de recorte social, cultural. Presencio isso todos os anos. Vejo os estudantes de muitas escolas tendo de fazer avaliações, entrevistas e mais entrevistas. Só falta pedirem exames de sangue, DNA! Meu conselho? Afastem-se delas e divulguem todos os processos de &...

30/09/2011

Catherine Vieira é jornalista de economia há 15 anos e atualmente é editora da ValorInveste, revista e site de finanças pessoais do Valor Econômico, o maior jornal de economia do país (www.valor.com.br). Já foi editora do Jornal Nacional (sim, ela se sentava diariamente ao lado do William Bonner na redação da Globo, morram de inveja) e arrebatou diversos prêmios importantes de jornalismo. Tem 39 anos, não tem filhos e adora viajar. Nesta semana sobre viagens, o Mamatraca traz essa entrevista especial e mais do que útil para quem quer viajar e não ficar pendurado nas faturas do cartão de crédito. Catherine fala, inclusive, sobre como os filhos podem ajudar no planejamento financeiro das férias.

A família resolveu que vai viajar. Como guardar dinheiro se gastos como alimentação, escola, médicos consomem boa parte do orçamento familiar?

Uma regra simples que todo especialista em orçamento recomenda é anotar os gastos todos os dias, inclusive aqueles mais simples, como um cafezinho ou uma co...

21/09/2011

Maternidade e carreira quase sempre são encaradas como situações conflitantes no campo de interesses do coração. Esta eterna dicotomia vem com uma cerejinha pro bolo da vida apressada: o sentimento de culpa

Please reload

PROJETO CLAREAR

COM CEILA SANTOS

 

ESPECIAIS

Please reload